Skip to content
Saúde 10

Puerpério: Saiba tudo sobre

Fases do puerpério.

Quando uma criança nasce, uma série de mudanças acontecem com a nova mãe e também no dia a dia de todas as pessoas ao redor. Além das mudanças físicas no corpo da mãe, é necessária toda uma adaptação de ambiente, horários e rotina para enfrentar os primeiros dias após o parto. Esse período é chamado de Puerpério, veja abaixo, o que é, as alterações que traz e os cuidados necessários para passar por essa fase de maneira tranquila e agradável.

O que é Puerpério?

Você já deve ter ouvido falar em  quarentena ou resguardo, certo? Aquele período pós- parto, que dura aproximadamente 45 dias. Ele se inicia logo após o nascimento do bebê e acaba quando a mulher volta a ovular.  É um período de transformações, pois além de mudanças fisiológicas, a nova mãe também pode ter algumas variações de humor, o que a deixa mais sensível e vulnerável.

Puerpério Normal

Se durante a gravidez o corpo da mulher sofre com algumas mudanças, no período pós elas continuam a aparecer. As mamas, por exemplo, que já estavam inchadas na gestação, ficam mais sensíveis, pois estão cheias de leite. Há mulheres que não conseguem amamentar, nesses casos o médico irá passar uma medicação para que este leite seque e introduzir outras formas para a nutrição do bebê.

Outra mudança, é  o sangramento vaginal, também chamado de Lóquios, é um pouco diferente da menstruação, pois seu fluxo é mais intenso. Trata-se da eliminação de secreções do útero, como resto de sangue, muco e outros tecidos. Ele acontece até que o útero volte ao tamanho normal.

Os primeiros dias após o parto é bem provável que a mulher sinta cólicas, elas são bem parecidas com as cólicas menstruais e ocorrem por causa das contrações do útero, que está voltando ao seu tamanho normal. Elas podem ser mais intensas durante a amamentação.

No período do puerpério, o abdômen também permanece inchado, isso ocorre porque o útero não está no seu tamanho normal. Com o passar do tempo ele vai diminuindo e isso pode deixar a barriga flácida, portanto é recomendável o uso de uma cinta e exercícios abdominais para fortalecer a região.

Nessa fase a mulher também pode apresentar uma vontade anormal de urinar, a chamada incontinência urinária. Isso ocorre mais em mulheres que tiveram parto normal, de repente surge uma vontade repentina de urinar, o que pode acarretar em algumas perdas na calcinha.

A intimidade do casal também pode mudar bastante nesse período, na verdade só é recomendado voltar a ter relações sexuais quando o útero está cicatrizado, o que geralmente ocorre num período de 40 dias. Porém, estamos falando de penetração, com preliminares e outras formas é possível manter o contato íntimo do casal.

Outro fator que deve ser levado muito a sério durante o puerpério são as alterações emocionais, por mais que pareça estranho, é normal em algumas mulheres, sentir raiva em alguma situação relacionada ao bebê nessa fase e logo geralmente ter um sentimento de culpa. Isso acontece porque o corpo passou e ainda passa por uma série de alterações hormonais.

Ciúme, raiva, medo e tristeza momentâneos fazem parte desse período, que podem ter como causa também, o cansaço físico e psicológico que o pós-parto traz. O ideal é que as pessoas próximas sejam atentas e compreensivas. Se essas alterações persistirem, podem evoluir para uma depressão pós-parto e deve ser acompanhada por um psicólogo.

Fases do Puerpério

O puerpério é dividido em três fases, a primeira é o Puerpério Imediato, a segunda o Puerpério Mediato e por último o Puerpério Tardio. Entenda as particulares e cuidados de cada período que acontece até que o corpo da mulher volte ao normal.

Puerpério Imediato

Fase do puerpério imediato.

O puerpério imediato começa logo após a saída da placenta e dura duas hora depois do parto. É o momento do contato inicial entre a mãe e bebê e onde toda a tensão, cansaço e outros sentimentos gerados na hora do parto começam a passar.

Nessas primeiras duas horas, também ocorre uma avaliação física da mãe para garantir que tudo correu como o previsto, por isso, algumas observações devem ser feitas, como avaliação dos sinais vitais (pulsação, temperatura e pressão arterial); do risco de hemorragia, avaliando se há muita transpiração, palidez, taquicardia; verificação do corte e do períneo e controle da dor.

Puerpério Mediato

Fase do Puerpério Mediato.

Logo após o término do puerpério imediato, começa uma outra fase muito importante, o puerpério Mediato. Este é um período de muita atenção, pois é quando as secreções liberadas pelo útero e os resíduos da placenta começam a ser liberados. Esse período também é quando o útero começa a voltar ao seu estado normal, após a dilatação durante a gravidez.

Esta também é a fase mais propícia à instabilidade emocional da mulher, pois é quando ela está aprendendo a amamentar, o sangramento é mais intenso, os pontos, sejam de parto normal ou cesárea, estão mais sensíveis. Portanto, uma junção de fatores que pode a deixar mais cansada do que o normal.

Por isso, durante esse momento é muito importante ter a orientação correta do médico quanto à amamentação e os cuidados com o bebê, bem como receber apoio e compreensão das pessoas mais próximas para passar por esse período.

Puerpério Tardio

Fase do Puerpério Tardio.

Já o Puerpério Tardio corresponde o período do 10º ao 45º dia após o parto. Nessa fase, o corpo ainda está sofrendo alterações. Nota-se que já diminuiu um pouco os sintomas oficiais. Os cuidados devem continuar, principalmente no útero e nas regiões genitais que ainda não retornaram ao seu estado normal.

Algumas vezes, esse período de 45 dias não é suficiente para que a mulher retorne a sua função reprodutiva, portanto o puerpério pode se alongar por mais alguns dias, esse período é chamado de puerpério remoto.

Puerpério Patológico

O período denominado como puerpério é para acontecer de forma normal, como citado acima, porém algumas mulheres podem desenvolver o Puerpério Patológico, que são algumas complicações que podem aparecer neste período de quarentena.

Os problemas mais comuns são hemorragias, infecção puerperal e mastite, porém com a evolução da medicina e a grande disponibilidade de tratamento, hoje as complicações são cuidados muito mais facilmente e a mortalidade por causa delas foi reduzida a quase zero.

A hemorragia puerperal é diagnosticada quando há um perda de sangue superior a meio litro, isso pode ocorrer ao final do parto ou com a saída da placenta. Os motivos são variados, pode ocorrer quando a placenta descola do útero, quando o útero não contrai adequadamente, causando um trabalho de parto anormal ou prolongado e até pela má administração do anestésico miorrelaxante.

Uma outra causa da hemorragia também pode ser lacerações em decorrência de um parto espontâneo, onde partes da placenta podem não ser descoladas adequadamente, essa perda de sangue geralmente ocorre logo após o parto, mas podem ocorrer até um mês depois.

Por isso a prevenção é muito importante, o primeiro passo é obter o máximo possível de informações sobre a gestante, assim pode-se detectar doenças e alterações que a mulher tenha e evitar essas complicações. Anemia e pressão arterial alterada são problemas que devem ter atenção especial durante a gestação.

Após o parto e a placenta ser expelida, esse sangramento é monitorado e caso haja uma expulsão de sangue maior que  normal, a mulher pode precisar de uma transfusão. Uma massagem abdominal também pode ser feita para estimular a contração do útero. Neste caso, o útero também deve ser examinado para verificar se há lesões ou fragmentos da placenta.

Quando esses procedimentos não conseguem reduzir a hemorragia, pode ser necessária a realização de uma ligadura nas artérias que levam sangue ao útero. Em último caso, a contenção pode ser feita através da remoção do útero, procedimento chamado de histerectomia.

Além da hemorragia, algumas infecções também podem fazer parte do Puerpério Patológico, como a infecção nos órgãos genitais, caracterizada por febre acima de 38ºCInfecções mamárias, urinárias e pulmonares que também são diagnosticadas através de um quadro febril.